As relações de trabalho mudaram radicalmente após o início da pandemia do COVID-19. Grande parte das empresas, cujos serviços não são essenciais, se viram obrigadas a “fecharem as portas” e migrarem para o ambiente remoto. Consequentemente, o home office se tornou uma tendência corporativa.

Não necessariamente esse termo significa trabalhar dentro de casa, mas sim em um ambiente que não seja o do escritório da empresa.

Apesar de não ser um conceito novo, o home office ou trabalho remoto ainda era visto com olhares desconfiados por parte dos gestores antes da pandemia.

Muitos consideravam que esse modo de trabalho diminuía a produtividade e engajamento dos colaboradores, além da dificuldade em monitorar suas atividades.

Tais fatores se mostravam como barreiras fixas para o implemento mais amplo do home office na rotina das empresas, porém, essa era uma tendência que já estava começando a ganhar força. Com o surgimento da pandemia, ela entrou “chutando a porta” e mostrando que veio para ficar.

Isso se demonstra em uma pesquisa realizada pela Robert Ralf entre os meses de junho e julho, com 620 profissionais brasileiros. Com o isolamento imposto pela pandemia, 95% dos entrevistados puderam trabalhar à distância, enquanto antes desse período, apenas 35% tinham direito ao regime.

Além disso, 61% dos que estão empregados não aceitariam proposta de trabalho que não incluísse o home office parcial ou total, ou aceitariam apenas se não tivessem escolha.

Esse é um panorama real que tem impactado diretamente em diversos setores da nossa sociedade, e o imobiliário foi um deles.

Os novos empreendimentos de luxo vêm acompanhando essa tendência e inserindo espaços de trabalho, também chamados de coworking, dentro do condomínio, ou seja, em sua área comum.

Antes de compreender esse conceito aplicado em um edifício residencial, é preciso saber o que é um coworking:

São espaços espalhados pelas cidades que oferecem uma estação de trabalho para empresas e pessoas que têm essa mobilidade remota, com computador, cadeira e mesa, além do sinal de internet, energia elétrica e demais facilidades.

A empresa responsável pelo coworking cobra uma taxa mensal para o uso desse espaço, mas ela é muito mais barata se comparada com o aluguel de uma sala corporativa, por exemplo.

Agora que você já está por dentro do termo, vamos conhecer um pouco mais sobre essa tendência aplicada nos empreendimentos imobiliários!

Área de home office nos condomínios

Apesar de o trabalho remoto ser prático e bastante benéfico tanto para a empresa (que economiza com gastos de infraestrutura e benefícios para os funcionários) como para o colaborador, alguns desafios ainda são recorrentes.

Exemplos disso é dividir espaço com o restante da família, ter uma estrutura confortável e ao mesmo tempo profissional dentro do apartamento, lidar com os ruídos internos e externos durante reuniões por vídeo, entre tantos outros entraves.

Somado a tudo isso, o conforto de estar em casa pode gerar certa comodidade e queda na produtividade. Muitas pessoas acabam sentindo falta daquele ambiente mais corporativo dos escritórios.

Pensando em resolver essas problemáticas e andar lado a lado com a tendência remota, as construtoras têm incorporado os espaços de trabalho nos condomínios residenciais.

Eles combinam o profissionalismo do trabalho em escritório (com um ambiente propício para suas atividades) com a comodidade e a qualidade de vida do trabalho remoto.

Muitos empreendimentos já contam com esses espaços que entregam uma típica infraestrutura de coworking com mesas, tomadas USB, central de conectividade, salas de reunião, espaço para leitura e toda uma acústica favorável para um trabalho tranquilo e focado. E o melhor: sem pagar nada a mais por isso.

Com isso, o morador apenas desce o elevador e tem à disposição o seu “mini” escritório, sem precisar pagar o aluguel de um coworking e sem a necessidade de locomoção ao escritório físico da empresa.

Vantagens desse espaço

Obviamente, as vantagens são incontáveis. Começando pelo fato de não precisar lidar com a interferência de outras pessoas da sua casa (que não têm culpa de você estar trabalhando) enquanto você faz suas obrigações. Além disso, não precisar mais dispor de um cômodo da casa para virar escritório.

A infraestrutura de um espaço como esse também é muito vantajosa. Nem sempre as pessoas têm um bom sinal de internet em casa ou uma velocidade tão potente para reuniões virtuais, por exemplo. No coworking residencial, a internet, mesmo que compartilhada, é muito mais potente e o melhor: gratuita.

Na maioria dos espaços também é possível contar com áreas de descanso e para fazer aquele “intervalo” no trabalho, com máquinas de café, micro-ondas, geladeira e até mesmo sofás.

Para quem já testou a novidade, o networking também é um grande atrativo. Assim como nos coworkings comuns, o residencial também possibilita a troca e o contato com outros profissionais, o que pode ser muito benéfico para sua carreira e empresa.

Regras

Para que tudo funcione em perfeita harmonia, regras são necessárias. Elas são definidas pela Convenção de Condomínio e pelo Regimento Interno – conforme decisão da maioria dos proprietários na votação da assembleia de condomínio.

As principais regras referem-se ao horário de funcionamento do espaço, à presença de convidados externos para reuniões, reservas da mesa e das salas de reunião, orientações de segurança, entre outras pertinentes.

Em suma, como nos coworkings externos, algumas regras são comuns, como: manter o máximo de silêncio possível (evitar falar alto e escutar áudios sem fone de ouvido), manter a limpeza e organização do espaço, respeitar os limites alheios de espaço e convívio, e respeitar o horário e espaço reservados para você.

Por conta desses benefícios e dos novos padrões de trabalho, essa é uma novidade que já está tendo impacto direto na tomada de decisão de compra dos imóveis. Muitas pessoas já buscam edifícios com esse espaço.

É preciso salientar que, por enquanto, os empreendimentos que contam com o espaço de home office ainda são os de luxo. A tendência é que essa “moda” pegue em outros padrões de empreendimento e seja mais democratizada futuramente.

O Boulevard Parque Central Osasco é um dos lançamentos com espaço home office que você encontra aqui em nosso site. Conheça esse belo projeto!